loading…

FOCUSSOCIAL

EAPN Portugal chega à região autónoma da Madeira

Alegria e satisfação. São estes os sentimentos do presidente da EAPN Portugal/Rede Europeia Anti-Pobreza, padre Jardim Moreira, pelo facto da organização não-governamental que dirige ter chegado à Região Autónoma da Madeira. O protocolo entre a EAPN Portugal e a Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais foi assinado, ontem, no Salão Nobre do governo regional. O executivo vai disponibilizar apoio para a instalação de um Núcleo da EAPN Portugal num espaço, no Bairro do Hospital, no Funchal.

No combate á pobreza, disse Jardim Moreira, “o que está em causa é a qualidade da democracia e o respeito pela dignidade humana”. Dignidade que também implica salários mais justos porque, sublinha, uma parcela muito significativa dos pobres, em Portugal, “são pessoas que têm trabalho”.  Cerca de 17% dos pobres em Portugal são trabalhadores, o que significa que "não têm ordenado digno", alertou o presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza, referindo a necessidade de "maior justiça na distribuição da riqueza”.

"Entre os pobres em Portugal, 17% são trabalhadores. Quer dizer que não basta ter um emprego para estar fora da pobreza. Não basta. É preciso ter um ordenado digno", disse o presidente da EAPN Portugal, durante a assinatura de um contrato-programa com o Governo Regional da Madeira para a criação de um núcleo na região autónoma.

Mais “justiça na distribuição da riqueza”, nomeadamente ao nível do Orçamento de Estado, é uma das prioridades no combate à pobreza. "Devemos evitar que a luta contra a pobreza se torne bandeira de um qualquer partido", disse Jardim Moreira, realçando que "a pobreza não tem partido" e deve constituir um "desígnio" nacional, europeu e mundial. O presidente da EAPN Portugal, afirmou também que a construção de uma sociedade mais democrática, mais justa e mais fraterna só é possível se as instituições derem "as mãos e o coração. O nosso objetivo é a libertação da pessoa humana de tudo o que a impede do seu desenvolvimento e proporcionar-lhe iguais oportunidades em ordem à sua inclusão ativa".

 

 

A secretária regional, Rita Andrade, destacou a importância do trabalho que tem sido desenvolvido em conjunto com instituições particulares de solidariedade social e a importância de a Madeira passar a estar integrada “num grande projeto europeu” de combate à pobreza. “Sozinhos não chegamos a lado nenhum”, garante.
No passado mês de julho, depois de ter sido recebido pelo presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, na Quinta Vigia, o padre Agostinho Jardim Moreira encontrou-se com a secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais, onde ficou delineada a abertura de um núcleo regional na Madeira. Já nessa altura foi manifestada total abertura entre ambas as partes para, em estreita cooperação, combater o fenómeno da pobreza na Região. Já nessa altura foi assinado um protocolo com a Câmara Municipal do Funchal, no qual ficou assente que a autarquia contribuirá com uma verba para este trabalho de combate à pobreza e exclusão social. O protocolo foi assinado pelo presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, e pelo presidente da EAPN Portugal.

A Câmara Municipal do Machico já manifestou ao presidente da EAPN Portugal vontade de integrar este projeto antevendo-se a assinatura de um protocolo com aquela edilidade, em outubro.
A Rede Europeia Anti-Pobreza é uma instituição particular de solidariedade social, fundada em 1990, em Bruxelas, estando representada em 31 países, nomeadamente Portugal, desde 1991, onde conta com 18 núcleos distritais. A instalação do núcleo da Madeira eleva para 19 as representações da rede ao nível nacional.

Fonte: Lusa

Enviar por email